GRAVIDEZ

A gravidez provoca um misto de alegria e medo. Medo de lidar com o desconhecido, de conseguir fazer um bom pré-natal, do momento do parto. Com a possibilidade de ter o desenvolvimento de seu bebê comprometido pela zika, crescem na mulher o medo, a angústia e a incerteza sobre o futuro da criança. A falta de informações claras e objetivas só faz aumentar a insegurança da mãe, do pai e de toda a família.

Informações distorcidas, boatos, preconceitos e crendices também contribuem muito para isso. Aqui no Movimento Zika, queremos informar às mães, pais e membros da família o que é possível fazer durante a gravidez e depois do nascimento do bebê para que ele desenvolva todas as suas potencialidades. A criança com deficiência não é diferente das outras. Brinca, estuda, aprende e, depois de adulta, trabalha.

Falamos a partir da experiência de nossa equipe com nossos filhos e filhas que têm algum tipo de deficiência. De especialistas que estão atendendo e orientando as famílias a como cuidar e desenvolver as crianças que nasceram com a síndrome da zika. E com mães, pais e familiares de muitas crianças de várias cidades do Brasil.

Curta a gravidez. Um bebê é sempre fonte de muita alegria

Mães e pais, a criança que vai nascer daqui a pouco diagnosticada como possivelmente afetada pela síndrome da zika não é diferente das outras.  E será, como os outros filhos, fonte de muita alegria e amor na família. Os primeiros momentos costumam ser difíceis mas, com a orientação correta do que fazer, vocês vão aprender a lidar com ela e a usar todos os recursos existentes para desenvolver suas potencialidades.

Como será o meu pré-natal?

A recomendação geral para todas as mulheres grávidas é a de iniciar o pré-natal assim que descobrir a gravidez. Na gestação sem suspeitas de infecção ou outros possíveis problemas, as consultas são mensais até a 34ª semana de gestação. A partir daí passam a ser quinzenais até a 38ª semana. Desse ponto em diante pode haver a recomendação de consultas semanais até o momento do parto.

Nos casos suspeitos de infecção pelo vírus zika, os especialistas têm recomendado consultas mensais até a 28ª semana de gravidez, quinzenais entre a 28ª e a 36ª semana e semanais a partir do início da 36ª semana até o nascimento do bebê. O obstetra deverá fazer a programação do seu pré-natal conforme a evolução da gestação.

No acompanhamento pré-natal das gestantes com diagnóstico de infecção pelo vírus não há nenhuma especificidade laboratorial bioquímica. O local de acompanhamento da gestante com infecção pelo zika vírus vai depender das disponibilidades do sistema de saúde na sua comunidade. Havendo possibilidade de acompanhamento de casos mais complexos, o atendimento deverá ser feito nos serviços mais especializados. Caso contrário, ele pode ser feito na unidade de atendimento que você costuma frequentar.

Importante : É preciso  garantir  um  exame de ultrassom (ecografia) mensal até o nascimento. Isso vai ajudar a identificar ou afastar algum tipo de comprometimento fetal e acompanhar o desenvolvimento do feto.

Se não for diagnosticada nenhuma alteração, os retornos para as consultas de pré-natal obedecerão à rotina de gravidez de risco habitual. Não há contraindicação para o parto vaginal (parto normal), mesmo que a mãe esteja em fase aguda da infecção pelo vírus zika.  No puerpério (período de seis a oito semanas pós parto) não há nenhuma medida diferente, sendo indicada a amamentação natural.

O atendimento pré-natal da gestante cujo feto tem diagnóstico de síndrome da zika deve ser em ambiente de alta complexidade (com recursos e equipamentos médicos mais completos, porque a gestação é considerada de alto risco. Caso haja condições, é importante a avaliação de um profissional da área de genética. Ele pode fazer o diagnóstico mais preciso das condições do feto.

No atendimento pré-natal dos casos de infecção pelo vírus zika deverão ser utilizados os fluxos já existentes e o referenciamento para serviços que atendam gestantes que demandam maior complexidade de recursos visando o nascimento e seguimento do recém-nascido.

Durante o pré-natal de mães com fetos afetados pelo virus zika serão seguidos os protocolos de cada serviço, não havendo diferenças ou especificidades. De forma geral, a preocupação nesses casos é com a saúde do feto.

É importante buscar o apoio de atendimento psicológico para as mães e também para as famílias envolvidas durante a gestação e após o nascimento.

Quando a família viver em vulnerabilidade social, o profissional da assistência social também deve ser acionado.

Lembre-se: Você tem o direito de ter um bom acompanhamento pré-natal pela rede pública de saúde. Exija isso. Nunca falte às consultas.